Epidemia de dengue pode ser monitorada nas redes sociais





O desenvolvimento de um projeto para prever epidemias através de mídias sociais, como o Twitter e o Facebook, foi um dos ápices da 63ª Reunião da Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que ocorreu neste final de semana em Goiânia.

A boa nova foi anunciada pelo médico e pesquisador Mauro Martins Teixeira, em sua conferência Dengue: desafios e direções. Como tem respondido a ciência brasileira?

Desponta interessada na temática a equipe de Teixeira, no departamento de bioquímica e imunologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e no Instituto Nacional de Ciência de Tecnologia (INCT) em Dengue, do qual ele é o coordenador.

Vale destacar o trabalho inspirado num artigo publicado na revista científica Nature, em fevereiro de 2009, que mostrava uma correlação quase exata entre a epidemia de gripe e as buscas feita por informações sobre doença no Google duas semanas antes da sua eclosão.

Dessa maneira, há cerca de sete meses, surgiu o projeto Vigilância de dengue baseado em um modelo computacional de análise espaço-temporal e pessoal pelo Twitter, desenvolvido em conjunto pelo INCT em Dengue e o INCT para a Web (InWEB).

"Partimos da hipótese de que a epidemia de dengue é refletida nas redes sociais e isso pode ser avaliado em quatro dimensões", explicou Teixeira. "Volume, localização, tempo, percepção pessoal."

Em outras palavras, quando há uma epidemia de dengue (ou outra doença), aparece uma leva imensa de mensagens e comentários postados em sites de relacionamento, no Twitter e no Facebook. E isso pode ser monitorado.

Foi o que os pesquisadores fizeram, com a ajuda ajuda do InWEB. "Constamos que há uma forte associação entre dados oficiais de relato de dengue e o aparecimento de tuítes ao mesmo tempo e nas regiões da epidemia", disse. "Agora queremos ver se é possível detectá-la antes de sua constatação pelos dados oficiais, que levam até seis para serem divulgados."

Segundo Teixeira, as informações colhidas nas redes sociais podem ser úteis para predizer o risco de epidemia de casos de dengue em determinada localidade, planejar medidas de comunicação e mobilização através da percepção das pessoas (grande volume de dados) nas redes sociais, além de acompanhar o impacto e avaliar a eficácia dessas medidas. "Uma das vantagens é que isso pode ser feito com baixo custo", acrescentou.

Epidemia de dengue pode ser monitorada nas redes sociais Epidemia de dengue pode ser monitorada nas redes sociais Editado por saude.chakalat.net on 09:06 Nota: 5

Um comentário:

Ministério da Saúde disse...

Evitar a proliferação da dengue depende de cada um de nós. Além de cuidar da sua casa, falar com seus vizinhos, manter contato com sua prefeitura sobre focos da doença, você pode utilizar esse espaço para conscientização.
Seja parceiro do Ministério da Saúde na mobilização contra o mosquito da Dengue. Divulgue em seu blog nosso material. Entre em contato com comunicacao@saude.gov.br e solicite o selo, participe da campanha.
Saiba mais: http://bit.ly/bMMVKT
Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude
Para mais informações: comunicacao@saude.gov.br ou www.formspring.me/minsaude

Tecnologia do Blogger.