Aquecimento global é estopim para novos surtos de dengue






Acredite: houve um tempo em que o dengue simplesmente não existia no nosso país. A doença aportou por aqui junto com o Aedes aegypti, provavelmente pegando carona nos navios negreiros no século XIX. Sabe-se que esse mosquito é originário da África, onde sua proliferação ainda não está controlada. E, claro, adaptou-se perfeitamente ao clima tropical e ao calorzinho das terras brasileiras. Mas, naqueles tempos, o inseto estava mais relacionado aos casos de febre amarela, o que levou o governo a uma intensa batalha pela sua erradicação com sucesso absoluto, diga-se. 

E foi assim que, na década de 1930, o Aedes já estava praticamente erradicado no Brasil. No final dos anos 1940 ele foi considerado extinto em vários países latino-americanos. O problema é que isso não aconteceu em todos. Então, o processo de urbanização, aliado ao desenvolvimento dos meios de transporte e ao crescimento dos produtos descartáveis sem uma política de reutilização do lixo reciclável, ajudaram o mosquito a voltar com força total no final do século 20.

No Brasil, o inseto encontrou condições muito favoráveis para se reintroduzir na década de 1970. E aí ele já não conseguiu ser mais controlado com os métodos anteriores. Programas focados apenas no combate químico e sem a participação da comunidade nem um projeto de integração de vários setores não conseguiram evitar a proliferação do bicho. Para piorar, em 2002 aportou por aqui o tipo 3, batizado de Flaviridae, até então inexistente por estas bandas. O grande temor da chegada do tipo 3 e do 4 é o aumento dos casos de dengue hemorrágica, já que essa forma mais grave costuma acontecer em quem já foi infectado por outro tipo de vírus da dengue. 

Agora a mais nova ameaça que pode levar ao estopim de novas epidemias é o aquecimento global. A mudança climática geral com certeza terá um impacto sobre várias doenças, já que vírus e bactérias sofrem modificações com as alterações de clima. Para se ter uma idéia, agora temos chuva o ano inteiro e isso favorece o mosquito , exemplifica o infectologista Paulo Olzon, da Universidade Federal de São Paulo. Hoje o Aedes aegypti já está presente em mais de cem países e isso se deve, em grande parte, ao incremento do tráfego aéreo. Aonde mais ele pode chegar? Só o futuro dirá.

Fonte: Minha vida

Aproveite e siga este blog. Receba as últimas postagens personalizadas.

Aquecimento global é estopim para novos surtos de dengue Aquecimento global é estopim para novos surtos de dengue Editado por Dani Souto on 21:18 Nota: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.